UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA



A myOZONE é parceira
oficial da Universidade Federal de Viçosa em Minas Gerais


O convênio de cooperação técnica assinado com o Reitor da Universidade, Professor Demetrius David da Silva, visa a mútua cooperação para a utilização do laboratório de pós-colheita do Departamento de Engenharia Agrícola principalmente no que concerne a gerar incentivos para o desenvolvimento e transferência de tecnologia, testes de equipamentos, a implantação de cursos específicos para treinamento de alunos para Processamento de Produtos Agrícolas, no que se refere ao uso do gás ozônio (O3).

PESQUISADORES


Profª. Dra. Leda Rita D’Antonino Faroni (Laboratório de Pós Colheita);


Prof. Dr. Álisson Carraro Borge (Laboratório de Análise de Qualidade de Água);


Profª. Dra. Maria Eliana Lopes Ribeiro de Queiroz (Laboratório de Química Ambiental).


Além dos profissionais diretamente vinculados a UFV, o laboratório mantém parceria com ex-integrantes do grupo de pesquisa, atualmente lotados em outras instituições do País, por exemplo, a Universidade de Brasília (UNB), a EMBRAPA Milho e Sorgo, em Sete Lagoas, MG, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Senador Firmino, MG, entre outros.

ÁREAS DE PESQUISAS
COM OZÔNIO


Expurgo de grãos (fumigação);


Degradação de agrotóxicos;


Destoxificação de micotoxinas;


Redução de carga microbiana;


Tratamento de efluentes.

• 08 geradores de ozônio (pequeno, médio e grande porte).


• 02 concentradores de oxigênio, com capacidade de operar com uma vazão de até 12L/min.


• 02 cilindros de oxigênio com capacidade de 10m3 cada.


• 02 analisadores de ozônio, Ozone monitor BMT 930 que medem concentrações baixas (0 – 240 ppmv) e um analisador de ozônio de alta concentração da 2B Technologies modelo Models OEM-106-L para monitoramento de concentrações mais elevadas (0 – 50.000 ppmv). Este último cedido, em comodato, pela empresa MyOzone para realização de pesquisas.


• O monitoramento da concentração de ozônio nos experimentos também é feito por meio do método iodométrico e por meio de analisadores de ozônio. O método iodométrico, que é aceito pela IOA (International Ozone Association), envolve o procedimento de titulação e preparo de reagentes. Para a realização das titulações, o laboratório conta com todas as vidrarias necessárias, como provetas; pipetas; buretas; erlenmeyers e balões volumétricos. Há disponível também para preparo das soluções, ácido sulfúrico; ácido clorídrico; tiossulfato de sódio; iodeto de potássio; dicromato de potássio e amido solúvel.


• 6 silos de 90 toneladas/cada, sendo um adaptado para testes com ozônio.


• 6 câmaras de tratamento herméticas com controle de temperatura e umidade com capacidade de simular qualquer condição climática. Nestas câmaras são armazenados produtos agrícolas, criações de insetos-praga de alimentos e são realizados experimentos em condições controladas.

• Estufas incubadoras com controle de temperatura e câmara de fluxo laminar para cultivo e manuseio de meios de cultura para o s desenvolvimentos de pesquisas que envolvem o controle de microrganismos.


• Equipamentos de determinadores de teor de água; estufa; mufla; germinador; condutivímetro; sistema de extração de óleo; balança analítica; balança de peso hectolitro; moinho e penetrômetro para análises de qualidade dos produtos tratados com ozônio.


• Cromatógrafo a gás (modelo GC-17-A, Shimadzu, Kyoto, Japão) e Sistema CG/MS composto por um cromatógrafo a gás 7820A acoplado a um espectrômetro de massa 5977B (Agilent Technologies, Palo Alto, CA, EUA) para análises de degradação de resíduos de agrotóxicos em produtos agrícolas.


• Os tratamentos com ozônio em produtos agrícolas é feito por meio de ventilação forçada, de forma estacionária ou ainda dissolvido em água. Para aplicação do gás ozônio em produtos farináceos o laboratório conta com um misturador com capacidade de 90 kg. Para aplicação do ozônio em grãos há disponível uma câmara hipobárica, e alguns protótipos com capacidade estática máxima de até 300 kg de milho para aplicação de ozônio por meio de ventilação forçada. Já para aplicação do ozônio dissolvido em água o laboratório possui uma câmara hermética em acrílico com volume de 60 Litros.