Degradação de agrotóxicos


DEGRADAÇÃO DE
AGROTÓXICOS


A implantação dessa tecnologia já é obrigatória no Brasil, no tratamento de águas provenientes de lavagens dos tanques das aeronaves agrícolas. É uma excelente opção na degradação de resíduos de agrotóxicos em produtos agrícolas, chegando de 92% a 99,8% de eliminação de agrotóxicos.

No Brasil, desde 2010, as empresas de aviação agrícola tiveram que se adequar às novas regras para adaptar os locais em que os aviões são lavados e descontaminados. A Instrução Normativa n° 02, de janeiro de 2008, informa que as empresas devem adotar equipamentos como o gerador de ozônio, que degrada as moléculas de agrotóxico para evitar a contaminação do meio ambiente.

A água de lavagem dos Aviões Agrícolas e Pulverizadores Terrestres contém uma porcentagem elevada de agrotóxicos, e sua descarga no meio ambiente é crime ambiental inafiançável. Essa água não pode ser lançada no meio ambiente antes de sofrer um tratamento de descontaminação dos agrotóxicos nela contidos. Valores muito baixos de pesticidas são exigidos pelas autoridades ambientais nas águas dos rios e lagos havendo a necessidade de sua remoção das águas de lavagem dos equipamentos, que poderão atingir os lençóis freáticos ou efluentes.

Nas indústrias de alimentos o ozônio pode ser uma excelente opção para remover vestígios de agrotóxicos de alimentos ou efluentes contaminados por agrotóxicos


Voltar